2 de setembro

O conhecimento de Diego Spinelli

A importância do treinamento funcional e da liberação miofascial na busca por performance e qualidade de vida

Saúde e qualidade de vida | Fotos: Arquivo Pessoal

Saúde e qualidade de vida | Fotos: Arquivo Pessoal

Diego Spinelli possui ampla experiência na preparação de atletas e indivíduos em busca de qualidade de vida. “Melhorar suas habilidades motoras com exercícios funcionais e corretivos é a melhor maneira de prevenção e tratamento de lesões”, afirma.

Na entrevista a seguir, você poderá entender um pouco mais sobre a importância do treinamento funcional e da liberação miofascial; inclusive para as mulheres que treinam glúteos com intensidade.

Basicamente, em que consiste o treinamento funcional e qual sua maior utilidade?
Atualmente temos várias formas de praticar exercício físico, tanto dentro, quanto fora das academias. Mas vamos falar um pouco do treinamento funcional, falado por muitos, porém, pouco aplicado dentro de sua essência.

A Performance Funcional possui a seguinte opinião e pensamento sobre esse tipo de treinamento. O próprio nome diz, funcional, ou seja, melhorar sua função. Mas que função? Suas atividades diárias em casa ou no trabalho, sua rotina de treinamento na academia, ou aquele esporte que pratica no fim de semana. Esses são alguns exemplos sobre como o treinamento funcional pode ser agregado na sua vida, pensando em tornar você o mais eficiente possível, seja atleta ou não atleta.

Mas para que ele tenha coerência, o profissional deve ser capaz de identificar suas “fraquezas” (assimetrias, desequilíbrios musculares, alterações de padrão motor, restrições de mobilidade, estabilidade, entre outras). Com essas informações apuradas e analisadas, ele poderá traçar estratégias e exercícios para melhorar esses componentes e atender suas necessidades e objetivos, pensando não só na meta a curto prazo, mas por toda sua vida.

Dentro desse processo, qual a importância da liberação miofascial para o corpo humano, de uma forma geral?
Vamos entender o que é fáscia em primeiro lugar. A fáscia muscular é um tecido conjuntivo tridimensional que envolve os músculos, vasos sanguíneos, ossos e nervos. Sua função principal é reduzir a fricção, permitindo que os músculos deslizem uns sobre os outros. Algumas dores sem diagnóstico e alterações de postura têm uma relação direta com as compensações e desequilíbrios gerados por uma rigidez desse tecido e, por consequência, dos músculos.

A técnica de liberação miofascial apresenta bons resultados, entre eles: melhora na mobilidade, flexibilidade e amplitude de movimento; redução de tecido cicatrizado e adesões; diminuição do tônus dos músculos hiperativos e rígidos; ativação dos músculos fracos; redução da rigidez arterial e melhora da circulação em órgãos e tecidos. Ou seja, sua aplicação, na prática, é de fundamental importância para uma boa qualidade de vida do indivíduo.

Em relação as mulheres que gostam de treinar glúteos, por que deveriam se preocupar com a liberação miofascial?
Ótima pergunta. Com o exagero de exercícios para essa região, podem ser gerados alguns desequilíbrios de força em músculos do quadril, tais como: piriforme, glúteo máximo, médio e mínimo. Por consequência, pode aparecer a famosa lombalgia e a dor ciática (que começa na lombar e irradia para coxa e perna), que é o pinçamento do nervo entre esses músculos. Com a liberação miofascial você consegue reequilibrar, tirar aderências (pontos de gatilho), ganhar fluidez nesse tecidos e ainda melhorar a mobilidade do quadril, que tem uma ligação direta e também gera dor lombar.

E quanto aos ciclistas?
Não é muito diferente, pois se manter por várias horas na posição sentada, entre treinos e competições, produzindo muita força nos membros inferiores, também pode gerar desequilíbrios em alguns músculos. Recomendo ainda a liberação miofascial em quadril, coxa e perna, para prevenção de lesões e melhora do desempenho nessa atividade, pois todas essas regiões são bem solicitadas.

Algo semelhante ocorre com os corredores?
Com certeza, a preocupação e prevenção deve ser a mesma.

Porque motivo as pessoas que não estão familiarizadas com a auto liberação miofascial precisam de mais trabalho para trazer o tecido ao ponto ideal?
Bom, para quem nunca utilizou a técnica, vamos ser sinceros que é um pouco desconfortável e cansativa, e certas posições um tanto complicadas, o que também depende da estrutura física da pessoa. Pois, pelo fato de gerar desconforto, o próprio corpo acaba se contraindo muito para se proteger e, conforme a pessoa vai mobilizando uma certa parte do corpo, ele vai se adaptando e gerando o efeito contrário, que é o relaxamento e bem estar. Comece progressivamente, em média 2 a 3 vezes por semana, em torno de 30 segundos a um minuto em cada região, até seu corpo se sensibilizar e se adaptar ao estímulo.

Você costuma utilizar o Foam Roller com seus alunos?
Sim, sempre uso antes de começarmos o treino de força, pois a liberação miofascial está integrada no treinamento, para que o desempenho seja o melhor possível naquele dia. E os ensino a fazerem em casa também.

Que resultados percebe?
São cada vez melhores, não só a curto prazo, mas também a longo prazo. Sempre faço uma avaliação prévia de qual músculo está prejudicando a função de um movimento específico, e trabalhamos em cima dele. Quanto mais familiarizado está o tecido muscular, e os alunos com o trabalho de liberação, mais resultados vemos em ganho de mobilidade e flexibilidade.

Gostaria de enviar uma mensagem aos leitores?
Atualmente, pelo estilo de vida que levamos, cada vez mais permanecemos em posições de compensação e desequilíbrio muscular, seja sentado, deitado e até mesmo pé; na sua casa, no trabalho, na academia ou no esporte do fim de semana. A longo prazo, começa a aparecer aquela dor que incomoda. Mas se fizermos um trabalho de prevenção e identificarmos essas questões, tudo se resolve. Se você ainda não conhece ou nunca experimentou o método, vale a pena se informar e iniciar, você não vai se arrepender e quem agradece é seu corpo, afinal de contas, você mora nele, não é mesmo? Lembre-se, aprimore suas habilidades motoras e viva com saúde e qualidade de vida!

Gostou da entrevista? Entre em contato com a Performance Funcional e siga as novidades no Instagram.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
banner, Matérias

Comentar

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *