26 de março

Nas mãos de Roberto Abib

Fisioterapeuta multicampeão.

Fisioterapia esportiva | Foto: Arquivo Pessoal

Fisioterapia esportiva | Foto: Arquivo Pessoal

Encarar uma lesão não é tarefa fácil, seja para um atleta profissional, amador, ou mesmo para quem não pratica esportes. Nessas horas, nada pode ser mais valioso que estar nas mãos de um profissional de confiança. Na entrevista abaixo, você saberá mais sobre o trabalho de Roberto Abib, fisioterapeuta esportivo multicampeão que atua, principalmente, com jogadores de futebol e lutadores de jiu-jitsu.

Como iniciou sua paixão pelo esporte?
Minha paixão iniciou desde pequeno por influência do meu pai. Como qualquer criança, queria ser atleta, mas a falta de vocação para o ofício levou-me em direção dos livros da fisioterapia.

Ainda pratica algum esporte?
Pratico jiu-jitsu sempre que posso.

Além do futebol e jiu jitsu, atletas de quais outros esportes você costuma atender?
Corredores em geral, nadadores, surfistas, kitesurfers e jogadores de rugby.

Entre os esportes que você atende, qual tem maior índice de lesão?
Muito difícil dizer porque são esportes totalmente diferentes, biomecânica e fisiologicamente falando. Além disso, toda estatística sobre a incidência e prevalência de lesões deve obedecer critérios sobre exposição dos atletas em treinos e jogos a cada mil horas, como no caso destes esportes, apenas o futebol apresenta este registro, ficaria empírico demais falar sobre estatísticas.

Qual a maior satisfação que sua profissão lhe traz?
A reabilitação completa do atleta. Ver um profissional voltando a jogar, bem como, um lutador participando de uma seletiva é muito bom.

Poderia explicar seu trabalho na CAF e como ela funciona, de uma forma geral?
A CAF – Centro de Atendimento de Fisioterapia – é uma clínica de fisioterapia privada, com uma equipe multiprofissional na qual oferecemos os serviços de pilates, personal trainer, medicina esportiva, osteopatia, quiropraxia e acupuntura. Cada profissional é especialista em alguma área da traumato-ortopedia, o que facilita ao público que nos procura na hora de agendar com o melhor profissional para o seu problema.

Trabalhando no Grêmio, você conquistou a última taça do Olímpico e a primeira taça na Arena. Qual a sensação de estar na história do clube e dos dois estádios?
Foram títulos conquistados nas categorias de base do Grêmio Football Porto Alegrense. Pra quem um dia sonhou em ser jogador de futebol, ter uma oportunidade ímpar de realizar um sonho de criança, mesmo não jogando, mas trabalhando como fisioterapeuta – finalizando um ciclo vitorioso no Estádio Olímpico Monumental e iniciando outro na Arena do Grêmio – é uma emoção que nada vai me tirar da cabeça. Eu participei disso tudo e isso me basta.

Como você costuma utilizar o Foam Roller com o pessoal do futebol?
Gosto muito de usá-lo pré treino ou para auxiliar alguma liberação miofascial.

E com a galera do jiu-jitsu?
Mesmo motivo.

Quais benefícios tem observado?
O custo–benefício é muito bom, se ganha tempo quando temos grupos grandes de atletas. Referente aos aspectos biomecânicos e fisiológicos, observo ganhos de amplitude de movimento e um pré aquecimento dos grupos musculares.

E a reação dos atletas, após utilizarem o Foam Roller e sentirem o resultado, poderia descreve-la?
Se sentem mais leves e mais soltos.

Você está acostumado a trabalhar com atletas de alto nível e, ao mesmo tempo, presenciar grandes lesões. Gostaria de deixar um recado para quem está passando por um momento difícil em sua vida e precisa dar a volta por cima?
Para todo problema existe uma solução. Não importa quanto tempo dure, não importa quanto doa, não importa as coisas deixadas pra trás. Você irá melhorar.

Arte suave

Arte suave

Clique e saiba mais sobre o trabalho de Roberto Abib.

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
banner, Matérias

Comentar

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *