19 de setembro

Conheça Victor Hugo, o Mega

Jogador de futebol americano é um dos destaques do Corinthians Steamrollers e da seleção brasileira

História de garra talento e determinação

Ex-jogador de basquete, wide receiver do Corinthians Steamrollers, Victor Hugo é um dos principais jogadores de futebol americano em atividade no país. O apelido foi dado por uma equipe adversária e veio em homenagem a Calvin Johnson Megatron, ícone do Detroit Lions. As semelhanças se dão pela compleição física, agilidade, técnica e velocidade. confira a entrevista e saiba mais sobre esse grande atleta e um dos esportes que mais se desenvolvem no Brasil.

Como nasceu sua paixão pelos esportes?

Desde pequeno me sinto atraído pelo esporte, comecei aos 5 anos de idade com o futebol e esse foi meu pontapé inicial.

Qual foi o primeiro esporte que você começou a praticar mais seriamente?

Mais seriamente foi o basquete, comecei com 14 anos e com 15 estava indo para Belo Horizonte jogar e estudar pelo Minas Tênis Clube. Desde então comecei minha carreira de atleta de basquete, onde virei profissional aos 18 anos e joguei até os 23.

Quando surgiu o gosto pelo futebol americano?

Quando recebi um convite de um amigo para conhecer e treinar no time de Flag Football dele.

Poderia contar um pouco da sua trajetória nesse esporte?

Conhecei a jogar em março de 2013 e após 4 meses recebi o convite para um teste em uma liga profissional. Foi aí que tive a oportunidade de aprender com um técnico norte-americano que jogou na NFL e realmente evoluí minha posição. Em março de 2014, recebi um convite do time do Corinthians. Treinei, treinei, treinei e fui campeão paulista no 1º semestre. Na sequência, comecei a jogar o campeonato brasileiro, foi quando passei a pensar em seleção, pois decidi que queria estar entre os melhores do país. Em novembro de 2014, fui contatado por outro técnico americano que me ofereceu uma bolsa para uma universidade no Texas. Em fevereiro de 2015, realizei mais um feito, fui convocado pela seleção para situar o campeonato mundial em Ohio (EUA). Adiei minha ida para a universidade e foquei 100% na Copa do Mundo. Foi quando uma semana antes de viajar para o mundial me lesionei. Rompi os dois ligamentos, menisco e cápsula do joelho. Tive que fazer cirurgia, não fui pra Copa do Mundo e não pude ir pra universidade. Operei e comecei imediatamente minha reabilitação de 8 meses para poder voltar aos gramados e para a seleção brasileira, o que ocorreu no dia 18 de março de 2016, dia do meu aniversário. Desde então, decidi que voltaria melhor e reconquistaria tudo de novo e aqui estou.

Como é sua rotina de treinos?

Treino cinco dias por semana na academia e três no campo, fazendo trabalhos de agilidade, explosão, velocidade, entre outros. Todos treinos específicos para o futebol americano.

Há muita incidência de lesões no futebol americano? Acredita que o Foam Roller Brasil tem lhe ajudado na prevenção de lesões?

Sim, sou a prova viva disso. Conheci o Foam Roller com meu fisioterapueta, na minha reabilitação. Li e estudei sobre ele e hoje o Foam Roller é primordial em qualquer treino que eu faça.

Quais outros benefícios você observa com a utilização do Foam Roller Brasil?

Os treinos de futebol americano são muito intensos, sinto que o Foam Roller diminui as dores musculares causadas por estress muscular. Além disso, proporciona melhor aquecimento e alongamento, consequentemente, me deixando mais “solto” pra ter melhores respostas tanto no campo, quanto na academia.

Você joga como um wide receiver. Quais são as principais características e desafios da posição?

As características são velocidade, agilidade, sensibilidade nas mão pra agarrar a bola, precisão na rota, visão periférica para poder correr e achar a “janela” de oportunidade. O principal desafio é se concentrar em fazer o trabalho independente de quem está na sua frente, pois sempre haverá um marcador no seu pé e assim que você receber a bola vai virar um alvo pra toda a defesa e eles vão tentar para-lo a qualquer custo. Mas não se deve pensar assim na hora do jogo, apenas deve se concentrar em fazer o seu trabalho.

O futebol americano é um jogo estrategicamente complexo, que vai muito além da questão física. Podemos dizer que se assemelha a um jogo de xadrez?

Exato, podemos dizer que é praticamente um xadrez ambulante, pois ambos constituem em conquista de território. A questão física é um detalhe que vai ajudar na estratégia utilizada para avançar no campo (tabuleiro), pois nós jogadores somos os peões, cavalos e bispos…

Poderia falar um pouco sobre as questões táticas e a importância do entrosamento do time?

Diferentemente do futebol, onde os 11 que atacam são os mesmos que defendem, no futebol americano temos time de ataque e time de defesa. Ambas formações precisam que todos estejam super treinados, com as jogadas na ponta da língua. É como um grande motor que cada um tem sua função vital.

Quais são os próximos desafios jogando pelo Corinthians Steamrollers?

Pela minha história e tudo que conquistei em tão pouco tempo, muitos jogadores me veem como um líder. Sou um dos capitães do time e meu próximo desafio é ser um exemplo dentro e fora do campo, sempre dando meu máximo para poder liderar pelo exemplo.

E pela seleção brasileira? 

Vestir a camisa da seleção brasileira é uma honra e uma responsabilidade. É a realização de muito trabalho duro e superação, estampado com as cores de uma nação de mais de 200 milhões de habitantes, então qualquer desafio ou meta na seleção é prazeroso.

Quer deixar um recado pra galera que gostaria de praticar futebol americano e seguir adiante esse sonho? 

Você quer? realmente quer? Seu sonho está ali, vai e pega. Para mim a frase essencial é: sorte = preparação + oportunidade.

Agarre seus sonhos e vá em frente | Fotos: Arquivo Pessoal

Agarre seus sonhos e vá em frente | Fotos: Arquivo Pessoal

Compartilhar
  •  
  •  
  •  
banner, Matérias

Comentar

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *